Equador precisa de US$ 22 mi para concluir retirada de minas antipessoais   

Brasília – A ministra da Defesa do Equador, María Fernanda Espinosa, disse que o governo equatoriano precisa de US$ 22 milhões para desativar 15,6 mil minas antipessoais que estão na fronteira com o Peru. Por anos, nos séculos 19 e 20, o Peru e o Equador  mantiveram um conflito armado na região fronteiriça. Apenas em 1998, com o apoio do Brasil, os dois países firmaram um acordo de paz.

A região minada fica na área amazônica de Morona Santiago, do lado equatoriano. Pelo menos 6 mil minas foram desativadas na fronteira equatoriana. O compromisso, firmado pelas autoridades do Equador e do Peru, é desativar todas as minas até 2017.

No fim do mês, acaba a cooperação oferecida pela Junta Interamericana de Defesa, da Organização dos Estados Americanos (OEA). "Nós temos de procurar outras alternativas [de apoio]”, disse a ministra. Ela acrescentou que o Brasil e o Chile, que apoiaram o processo de paz, assim como a Noruega e a Suíça, estão “muito interessados” na desativação das minas.

*Com informações da agência pública de notícias de Portugal, Lusa