Presidente peruano nega perdão a Fujimori     

Lima – O presidente do Peru, Ollanta Humala, negou hoje (7) o pedido de perdão do antigo chefe de Estado Alberto Fujimori, que cumpre pena de 25 anos de prisão, por violação de direitos humanos. Ao anunciar a decisão, o ministro da Justiça, Daniel Figallo, adiantou que Humala aceitou a recomendação de um comitê especial contra o perdão ao ex-presidente por razões humanitárias.

Fujimori, que governou o Peru de 1990 a 2000, foi condenado em 2009 pela morte de 25 pessoas por um grupo apoiado pelo governo, no decorrer de um conflito com o grupo rebelde maoista Sendero Luminoso.

O ex-governante, de 74 anos, fez o pedido de perdão há oito meses, argumentando que sofre de câncer na língua e de depressão. Ele fez o tratamento de câncer na prisão e, conforme boletim médico divulgado em março, não havia sinal de volta da doença.

“Fujimori não tem uma doença terminal, nem uma doença séria degenerativa e incurável”, disse o ministro da Justiça. “Ele também não tem nenhuma desordem mental séria”, acrescentou Figallo. Por isso, Humala não viu razões suficientes para alterar a sentença de Fujimori, concluiu o ministro.