China anuncia que não há sobreviventes de acidente em mina no Tibete

LHASA - As autoridades chinesas informaram que não há sobreviventes entre os 83 mineiros que ficaram presos após um deslizamento de terra ocorrido ontem, na região de Maizhokunggar, perto de Lhasa, capital do Tibete.

Mais de mil homens das equipes de resgate ainda continuam trabalhando, com a ajuda de mais de 200 veículos e cães. Segundo um porta-voz das autoridades locais, as possibilidades de encontrar sobreviventes são mínimas por causa da dimensão do deslizamento. 

Os mineiros estavam trabalhando em uma mina de ouro de propriedade da China National Gold, localizada a uma altitude de 4,6 mil metros, quando mais de dois milhões de metros cúbicos de detritos, pedras e lama cobriram mais de três quilômetros da área.

Após o acidente, ocorreram outros deslizamentos menores e as condições atmosféricas pioraram sensivelmente, chegando a temperaturas de três graus negativos, o que dificultou o trabalho das equipes de resgate.

Segundo a agência Xinhua, a grande maioria dos mineiros era chineses de etnia Han.

Outro acidente em uma mina chinesa aconteceu em Baishan Babao, na região norte-oriental de Jilin, perto da fronteira com a Coréia do Norte. O desabamento de uma parede em uma mina de carvão de propriedade da empresa estatal Tonghua Mining Group provocou a morte de 28 mineiros. O acidente ocorreu às 22h40 locais de ontem (11h40 no horário de Brasilia).

As equipes de resgate conseguiram salvar 13 pessoas, e as autoridades locais abriram uma investigação sobre o acidente.