Polícia investiga morte do magnata russo Boris Berezovsky

A polícia faz investigações após o magnata russo Boris Berezovsky, de 67 anos, ter sido encontrado morto no sábado (23), em sua casa. Forte crítico do presidente russo Vladimir Putin, Berezovsky se mudou para o Reino Unido em 2000. Ele também teve um "confronto empresarial"  com o dono do clube inglês Chelsea, o também russo Roman Abramovich.

Os investigadores especializados em substâncias NRBC (nuclear, radiológica, biológica e química) fizeram análises na residência do magnata em Ascot, sudoeste de Londres, mas informaram não ter encontrado nada suspeito. Em comunicado, a polícia acrescentou que vai prosseguir fazendo investigações.

Em 2012, Berezovsky tinha perdido uma batalha legal multimilionária contra Abramovich por considerar que este o tinha intimidado a vender ações da companhia petrolífera russa Sibneft por uma "fração" de seu valor real. Contudo, as acusações foram rechaçadas pelo Tribunal Comercial de Londres.

Berezovsky iniciou a carreira com uma concessionária de carros, mas depois, com a chegada de Putin ao poder, se estabeleceu no Reino Unido após passar por vários outros países. Berezovsky era amigo do ex-agente secreto russo Alexander Litvinenko, que foi envenenado em Londres com uma substância radioativa no final de 2006.

O magnata também teve problemas no Brasil. Em julho de 2007, a Justiça Federal determinou a sua prisão, juntamente com as dos iranianos Kia Joorabchian e Nojan Bedroud, seus representantes no país, com a suspeita de lavagem de dinheiro na parceria da empresa MSI com o Corinthians. Entretanto, em 2009 o Supremo Tribunal Federal (STF) concedeu uma liminar que suspendeu a decisão judicial por entender na época que os dois não tiveram assegurado o direito de ampla defesa