Agências humanitárias advertem sobre grande número de crianças mortas na Síria  

Brasília – Representantes de agências humanitárias internacionais se disseram chocadas com o elevado número de crianças mortas na Síria, na semana passada. A crise no país completa dois anos em março e a estimativa é que de 60 mil a 100 mil pessoas tenham morrido nos confrontos armados. Forças aliadas do governo enfrentam a oposição por divergências políticas.

De acordo com as agências humanitárias, ao menos 70 crianças morreram em decorrência dos ataques com mísseis comandados pelo regime em áreas residenciais da cidade de Alepo, nos dias 18 e 19 de fevereiro. Há relatos de que vários bairros foram reduzidos a escombros.

Pelos dados da organização não governamental (ONG) Human Rights Watch, os ataques nos dois dias provocaram a morte de 140 civis. O Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) condenou a morte de 20 meninos e meninas que estavam em sala de aula em uma escola primária da capital síria, Damasco, durante a explosão de um carro-bomba, no último dia 21.