Brasileiros na penúltima missa do Ângelus de Bento XVI

Maria Madalena Inácio acha o momento "histórico"

A Praça São Pedro fez lembrar neste domingo os grandes acontecimentos da Igreja Católica no Vaticano: fiéis do mundo inteiro reunidos diante da janela do apartamento pontíficio de onde, ao meio-dia, o Papa - pela penúltima vez -, recitou o Ângelus como Sumo Pontífice. A versão digital do Corriere della Sera fala em 150 mil pessoas na Praça neste domingo.

Maria Madalena Inácio, pernambucana de Garunhuns, mas que há 26 anos mora na Itália. Ela acompanhou em 2005 a eleição de Joseph Ratzinger e veio à Praça neste domingo (17) por considerar o momento histórico

Entre elas, muitos brasileiros. O Terra conversou com Maria Madalena Inácio, pernambucana de Garunhuns, mas que há 26 anos mora na Itália. Ela acompanhou em 2005 a eleição de Joseph Ratzinger e veio à Praça neste domingo por considerar o momento histórico.

“Sempre que posso, venho aqui ouvir o Papa aos domingos. Hoje trouxe minha bandeira com a qual já estive em muitos lugares, para que o Papa veja que pode contar com meu apoio e de muitos brasileiros”, disse Maria.

Na verdade, Maria e sua bandeira conseguiram criar uma pequena representação do Brasil na Praça São Pedro. Por ali também estavam devidamente identificadas por outra bandeira Isabel Peterle Modolo e Lorena Peterle Modolo Braz, do Espírito Santo. Lorena, que mora em Roma há um ano, trouxe sua mãe para acompanhar as palavras do Papa. “Não esperávamos uma reviravolta tão grande na Igreja”, disseram ao Terra.

Isabel Peterle Modolo e Lorena Peterle Modolo Braz, do Espírito Santo. Não esperávamos uma reviravolta tão grande na Igreja, disseram

Carlos André da Silva, natural de Fortaleza, mas que mora em Bréscia, no Norte da Itália, há oito anos, veio a Roma especialmente para acompanhar o Ângelus. “Vim agradecer ao Papa pelos sete anos que ele esteve à frente da Igreja. A renúncia foi um grande ato de humildade e desprendimento”.

A notícia da renúncia, na última segunda-feira, pegou de surpresa um grupo de São Paulo que estava em Lisboa. “Decidimos mudar nosso itinerário somente para acompanhar esse acontecimento histórico”, disse Edivaldo Negrelli. Sua esposa, Ariete Negrelli, disse que a renúncia “significa uma esperança de mudança na Igreja e que torçe para que o próximo papa seja mais carismático”.

Neste domingo, às 18h de Roma, têm início os Exercícios Espirituais do Papa pela Quaresma. Até o próximo sábado, junto com a Cúria Romana, o Papa ficará recluso em oração na Capela Redemptoris Mater, no Palácio Apostólico.

>> Segundo porta-voz do Vaticano, sucessão pode ser antecipada