Combate a extremistas no Mali pode custar US$ 500 milhões

O presidente da Comunidade Econômica dos Estados da África Ocidental (Cedeao), Désiré Kadré Ouédraogo, disse que o combate aos grupos extremistas islâmicos no Mali vai custar cerca de US$ 500 milhões. Segundo ele, essa é apenas a “primeira avaliação” sobre as necessidades financeiras das operações na região.

"Contudo, o número pode variar em função das necessidades", ressaltou Ouédraogo, lembrando que o custo estimado, inicialmente, era inferior ao total informado por ele. "A comunidade internacional deve se mobilizar", apelou.

O assunto deve ser tema de uma reunião no próximo dia 29 em Addis Abeba, na Etiópia, sob a coordenação da União Africana. Na ocasião, deve ser debatido também o envio de tropas africanas em apoio às forças de segurança do governo do Mali para combater os grupos extremistas islâmicos.

Esses grupos, que representam três comandos distintos, ocupam o Norte do Mali, enquanto o governo tem o controle do Sul. A população se queixa da insegurança e das pressões por parte dos extremistas que adotam a sharia, a aplicação dos preceitos islâmicos no cotidiano.