EUA: maioria aprova novas leis sobre comércio de armas

A sólida maioria dos Estados Unidos apoia um novo conjunto de regras sobre o comércio de armas em debate em Washington após o massacre da escola primária de Newtown. O dado, resultado de uma pesquisa ABC News/Washington Post publicada nessa segunda-feira, 14 de janeiro, informa a postura geral do país enquanto um grupo formado pelo vice-presidente, Joe Biden, deve apresentar um projeto cujo conjunto de leis imporia restrições ao comércio de armas de fogo no país.

Todas as propostas sondadas pela pesquisa, feita entre os dias 10 e 13 de janeiro junto a 1.001 adultos, são endossadas pela maioria dos Estados Unidos, e, em alguns casos, o apoio é maciço. 

Por exemplo, 88% apoiam a proposta de aferição do histórico do comprador de uma arma de fogo e 71% defendem a criação de um banco de dados federal sobre armas. O banimento do comércio de armas de assalto e de armas semiautomáticas, um dos pontos mais frisados pelo presidente Barack Obama, também recebem apoio (58 e 51%, respectivamente). O levantamento, todavia, mostra que os EUA não são inteiramente favoráveis ao desarmamento da sociedade: 55% disseram-se favoráveis a armas guardas responsáveis pela segurança nas escolas.