Frase de Assange sobre Equador gera polêmica

Uma frase sobre o Equador expressa pelo fundador do WikiLeaks, Julian Assange, em entrevista á uma cadeia de televisão norte-americana, gerou uma polêmica no país sul-americano que lhe concedeu asilo político em sua embaixada em Londres.    

Assange foi entrevistado pela jornalista norte-americana Erin Burnett, da CNN, sobre a situação da liberdade de imprensa no Equador e ele disse que preferia falar de outros temas, mas destacou que "[o] Equador é insignificante".   

Ao ouvir a resposta, a jornalista destacou que o Equador lhe concedeu asilo, e ele respondeu que o país "é muito importante para mim e seu povo tem sido muito generoso comigo, mas não é um ator mundial importante".   

As declarações geraram rejeição entre os setores opostos ao governo do presidente, Rafael Correa, pelas redes sociais, e estavam nas primeiras páginas dos principais jornais privados do país.    

A representante do partido opositor indigenista Pachakutik, Lourdes Tibán, expressou em sua conta no microblog Twitter que "Assange deve saber que o Equador não é insignificante, talvez, seja aquele que lhe deu o asilo".   

O jornal estatal El Telégrafo publicou o título "Referência de Assange sobre Equador, descontextualizadas".   

O ministro equatoriano das Relações Exteriores, Ricardo Patiño, consultado em Lima, expressou que as declarações de Assange foram "descontextualizadas", segundo informou hoje a cadeia de televisão local Ecuavisa.    

Assange, de 41 anos, foi informado em agosto deste ano que o Equador lhe concedeu o refúgio político, ainda que a Grã-Bretanha se negue a autorizar sua transferência ao país sul-americano.(ANSA)