Chanceler italiano condena ataque que matou embaixador dos EUA na Líbia

O ministro italiano das Relações Exteriores, Giulio Terzi, comentou a notícia sobre a morte do embaixador dos Estados Unidos, Chris Stevens, em Benghazi, na Líbia. "As notícias de Benghazi suscitam horror", afirmou Terzi, acrescentando que a Itália "condena de forma mais rígida este terrível atentado que deve ser esclarecido o quanto antes".    

O chanceler disse que seu pensamento está voltado, "em primeiro lugar, para as famílias das vítimas de um gesto infame que atinge homens comprometidos em oferecer esperança e apoiar um povo que quer construir o próprio futuro de liberdade e democracia".   "Expresso a mais sincera e profunda solidariedade aos Estados Unidos. Em particular à secretária de Estado, Hillary Clinton, pelo sacrifício de vidas humanas do departamento de Estado em um dia muito triste para todos", declarou.    

Por sua vez, o presidente do Parlamento da União Europeia (UE), Martin Schulz, também condenou "os ataques contra os funcionários diplomáticos norte-americanos" de Benghazi e o seu "pleno apoio" aos Estados Unidos.    

Schulz pediu que "as autoridades líbias façam todo o possível para encontrar e condenar os autores do crime".    

Ontem à noite, o consulado dos Estados Unidos foi atacado provocando as mortes do embaixador, de um funcionário e de dois militares norte-americanos.