Paraguai afasta militares que teriam se reunido com chanceler venezuelano 

ASSUNÇÃO - O Tribunal das Forças Armadas do Paraguai afastou dez generais por suspeita de participação na reunião com o ministro das Relações Exteriores da Venezuela, Nicolás Maduro, em uma tentativa de impedir o impeachment de Fernando Lugo.

A decisão de reformar os oficiais foi tomada em uma sessão extraordinária do tribunal, liderada pelo atual presidente paraguaio e comandante-em-chefe das Forças Armadas, Federico Franco.

Entre os militares reformados, estão os generais Adalberto Ramón Garcete, do Exército, e o almirante Juan Carlos Benítez, da Marinha, além do comandante do I Corpo de Exército, Juan Carlos Ayala. Também foi afastado o general Angel Vallovera, chefe da Casa Militar na gestão de Lugo e suspeito de ter convocado a reunião com Maduro.

Após o impeachment de Lugo, o governo paraguaio divulgou imagens de uma provável reunião entre Maduro e a alta cúpula das Forças Armadas. O país acusa a Venezuela de tentar articular um golpe militar para manter Lugo no poder.