Colômbia sobe seis posições no Índice Global de Inovação

De 2011 para 2012, a Colômbia subiu seis posições, passando da 71ª para a 65ª posição, no Índice Global de Inovação, elaborado pelo Insead (instituto europeu de ensino) e pela Wipo (Organização Mundial de Propriedade Intelectual). Na América Latina, a Colômbia está atrás apenas do Chile (39º lugar), Brasil (58º) e Costa Rica (60º).

“É bastante satisfatório não apenas o fato de termos avançado seis posições em um ano, mas também observar que nosso país dá cada vez mais passos importantes em relação à inovação, que é um dos cinco pilares para o fortalecimento da economia colombiana”, afirma Sergio Díaz-Granados, Ministro de Comércio, Indústria e Turismo.

Na Colômbia, a inovação tecnológica se transformou em um setor dinâmico, grande receptor de recursos. O Plano Vive Digital, por exemplo envolve investimentos de 5,5 bilhões de pesos colombianos (cerca de US$ 3 bilhões) em quatro anos para promover infraestrutura, serviços, aplicativos e o uso da tecnologia de informação por parte dos colombianos.

O ministro Díaz-Granados destacou o recente lançamento da Unidade de Desenvolvimento e Inovação, que começou a operar com a marca Innpulsa, e gerenciada pelo Bancóldex. Trata-se de um instrumento que oferece aos empresários de todo o país, mais ferramentas e novos programas que serão definitivos para que o setor produtivo possa apostar em inovação, e cuja implementação defina um novo norte da política industrial do país, ao mesmo que facilita o caminho para posicionar ainda mais a oferta de exportação.