Condenado à pena de morte nos EUA pede droga que alivie sofrimento

Michael Hooper, um prisioneiro condenado à pena de morte em Oklahoma, entrou com uma ação alegando que o suprimento limitado de pentobarbital no Estado americano pode levá-lo a uma morte dolorosa. A droga, comumente empregada como sedativo, é uma das únicas três utilizadas em execuções em Oklahoma. As informações são do site NewsOK.

O processo ajuizado pelo advogado de Hooper pretende cancelar a morte programada de Hooper porque o departamento responsável pelas execuções em penitenciárias possui apenas uma dose do sedativo em estoque - e, se ela não for suficiente, o criminoso poderia estar sujeito a uma punição "cruel e atípica". Na ação, o detento alega que o método empregado na pena de morte, composto por três etapas, "apresenta grande risco de causar sérios danos".

"Presidiários submetidos à execução sob protocolos similares aos de Oklahoma sofreram imensa dor e sofrimento atroz como resultado de má administração das três drogas", escreveu seu advogado no processo, citando condenações anteriores nos Estados Unidos como exemplo.

Michael Hooper, condenado pela morte de uma mãe e seus dois filhos em 1993, apela por uma pena de morte com o uso de apenas uma droga - prática cada vez mais comum no momento em que alguns fármacos utilizadas na execução de detentos estão se tornando escassos.