Ministro da Justiça diz que sanções ao Paraguai devem ser apenas econômicas

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, afirmou em entrevista a Terra Magazine que "não há previsão" de fechar as fronteiras com o Paraguai após a crise que se espalhou no país vizinho com a destituição de Fernando Lugo da Presidência. 

Segundo Cardozo, o Brasil deve restringir as sanções à política e economia, mas as decisões só serão tomadas após a reunião da cúpula do Mercosul, marcada para sexta-feira (29), na Argentina. 

"Estamos esperando a reunião da cúpula do Mercosul. Não há orientações especiais por enquanto mas, mesmo que a participação do Paraguai seja suspensa do Mercosul e da Unasul, acredito que as sanções serão apenas econômicas. Continuamos o patrulhamento das fronteiras e o combate ao contrabando e ao tráfico de drogas, como se nada tivesse acontecido", explicou Cardozo. 

O ministro afirma que, desde o impeachment de Lugo, na noite de sexta-feira (22), ainda não conversou com a presidente Dilma sobre o assunto, mas, segundo ele, não há "nenhum pacto bilateral" que possa ser prejudicado. "Temos previstas reuniões da Tríplice Fronteira, com Argentina e Paraguai, mas nada específico". 

No último domingo (24), o Mercosul suspendeu a participação do Paraguai na reunião de cúpula dos presidentes, marcada para sexta-feira (29). O anúncio foi divulgado pelo governo argentino, que possui a presidência rotativa do bloco, em nota divulgada no site do Ministério das Relações Exteriores. De acordo com o Itamaraty, a decisão foi acordada entre todos os países membros. 

Segundo o texto, o Mercosul decidiu "suspender o Paraguai, de forma imediata e por este ato, do direito de participar da XLIII Reunião do Conselho do Mercado Comum e Reunião de Cúpula de Presidentes do Mercosul, bem como das reuniões preparatórias". 

Cardozo está em Lima, no Peru, como chefe da delegação brasileira durante Conferência Internacional de Ministros de Relações Exteriores e Chefes de Organismos Internacionais Especializados contra o Problema Mundial das Drogas. Na quarta-feira (27), acontecerá em Lima a reunião da Unasul, que também discutirá a crise no Paraguai.