Conservadores sofrem grave derrota nas eleições britânicas

Os trabalhistas britânicos conquistaram uma vitória importante nas eleições municipais de quinta-feira no Reino Unido, um duro golpe para a coalizão governamental liderada por David Cameron que passa por um momento delicado após dois anos no poder.

O Partido Trabalhista assumiu o controle de 27 novos conselhos municipais de um total de 181 em disputa, entre eles o de Birmingham, a segunda maior cidade do país, de Liverpool e Cardiff, a capital de Gales, segundo os resultados ainda parciais dos votos na Inglaterra e no País de Gales.

Os resultados da Escócia e da acirrada disputada pela prefeitura de Londres devem ser divulgados no fim da tarde.

Com quase 85% dos votos apurados, o partido liderado por Ed Miliband também elegeu mais de 680 vereadores adicionais, enquanto os conservadores perderam quase 350 e seus sócios minoritários, os liberal-democratas, 240.

O trabalhista Joe Anderson foi eleito prefeito de Liverpool, um cargo novo.

"Somos um partido que volta a ganhar a confiança das pessoas, que ganha terreno, mas ainda há trabalho por fazer", declarou Miliband, eleito líder do partido depois que Cameron desalojou, em maio de 2010, os trabalhistas de Downing Street após 13 anos de poder consecutivos.

Em todo o país, os trabalhistas podem obter 38% dos votos, dois pontos a mais que em 2008, contra 31% para os conservadores, em baixa de quatro pontos, e 16% dos liberal-democratas, segundo estimativas da BBC, que também antecipa um índice de participação de 32%, o menor desde 2000.

Mas a apuração continua, especialmente na Escócia e em Londres, onde o excêntrico conservador Boris Johnson aparece como o favorito para um segundo mandato contra o antecessor trabalhista, Ken Livingstone, e outros cinco candidatos.

O duelo entre Johnson e Livingstone, conhecidos em todo o país, relegou ao segundo plano os outros candidatos a comandar a capital financeira da Europa.

Johnson, que encerra o primeiro mandato de quatro anos no cargo, tinha de quatro a 12 pontos de vantagem nas pesquisas sobre o rival, conhecido como 'Kenny o Vermelho' por representar a ala mais esquerdista dos trabalhistas.

Uma nova vitória de Johnson daria um pouco de alento ao primeiro-ministro David Cameron, que passa por um momento difícil, com o Reino Unido em recessão e pelas suspeitas sobre o ministro da Cultura, Jeremy Hunt, por seus estreitos vínculos com o grupo de Rupert Murdoch.

Cameron afirmou nesta sexta-feira que as eleições aconteceram em um "contexto nacional difícil", mas insistiu que seu governo está fazendo o correto para o país e seguirá tomando decisões difíceis para lutar contra a crise econômica.