Venezuela criará serviço de proteção para diplomatas estrangeiros 

Depois do sequestro de um diplomata da Costa Rica, o governo da Venezuela anunciou que criará um serviço de custódia diplomática. O serviço será responsável por garantir a segurança de funcionários estrangeiros que trabalham nas representações diplomáticas no país. A decisão foi confirmada pelo ministro do Interior e da Justiça da Venezuela, Tareck El Aissami.

"Vamos formar um grupo com 600 funcionários que atuarão no serviço de custódia diplomática", disse o ministro. Segundo ele, o serviço atuará em parceria com a Polícia Nacional Bolivariana. "O Estado venezuelano se compromete a fornecer a segurança a todo o corpo diplomático.”.

No domingo (8) à noite, o adido comercial e conselheiro da Embaixada de Costa Rica em Caracas, Guillermo Cholele, de 55 anos, foi sequestrado e mantido em cativeiro. Algumas hora depois, foi libertado.

Porém, nos últimos meses, vários diplomatas estrangeiros disseram estar ameaçados pela falta de segurança no país. As queixas foram encaminhadas às autoridades venezuelanas que prometeram tomar providências.