Capitão do navio Costa Concordia é mantido em prisão domiciliar

O Tribunal de Cassação da Itália confirmou a decisão do Tribunal de Recursos de Florença, mantendo a pena de prisão domiciliar para o comandante do navio Costa Concordia, Francesco Schettino.    

O tribunal rejeitou tanto o apelo da defesa do capitão, que pedia a revogação do procedimento, quanto o recurso da Procuradoria de Grosseto, que solicitava sua prisão preventiva em um centro penitenciário. 

No dia 13 de janeiro, o Costa Concordia, que transportava 4.229 pessoas, sendo 3.200 turistas de 60 nacionalidades diferentes e mil membros da tripulação, chocou-se com um rochedo perto da ilha de Giglio, situada no arquipélago protegido da Toscana. O acidente deixou mais de 30 mortos.