Internet: mais de 1.000 detenções na China desde meados de fevereiro

A polícia chinesa prendeu um total de 1.065 suspeitos e apagou mais de 208 mil mensagens prejudiciais durante a campanha anti-internet que leva adiante desde meados de fevereiro, anunciou neste sábado a agência de notícias oficial chinesa.

Os operadores de mais de 3 mil sites de internet receberam advertências durante esta campanha, que tem por alvo, segundo a agência Nova China, o contrabando de armas, o tráfico de drogas e de produtos químicos perigosos, assim como a venda de órgãos humanos e de informações pessoais.

Recentemente, a China acelerou sua campanha de "limpeza" da internet, na qual muitos veem censura política.

O governo chinês anunciou neste sábado grandes restrições de utilização dos microblogs, o fechamento de vários sites e a prisão de pessoas acusadas de ter propagado rumores de golpe de Estado na China.

Neste sábado, os dois principais serviços de microblogs chineses, Sina Weibo e Tencent QQ, suspenderam a possibilidade para os internautas de fazer comentários on-line, oficialmente para lutar contra os "rumores perniciosos".

Os dois grupos afirmaram que esta medida ficará em vigor até o dia 3 de abril, num momento em que as autoridades demonstram um nervosismo crescente diante da onda de críticas que circulam nos microblogs.