ONU enviará observadores a países vizinhos da Síria 

Observadores da ONU serão enviados nesta semana aos países vizinhos da Síria para recolher informações sobre "violações e atrocidades" cometidas no país, anunciou nesta terça-feira a alta comissária adjunta de Direitos Humanos, Kyung-wha Kang. "Tentamos manter o máximo de contatos (com pessoas) no terreno", declarou Kang no Conselho de Direitos Humanos da ONU. "Vamos enviar nesta semana às zonas fronteiriças dos países vizinhos observadores encarregados de recolher informações e de registrar as violações e as atrocidades" cometidas, acrescentou.

O Conselho de Direitos Humanos da ONU debate desde segunda-feira o segundo relatório da Comissão de Investigação Internacional sobre a Síria, presidida pelo brasileiro Paulo Pinheiro, que se declarou na segunda favorável ao diálogo e contrário a uma intervenção militar. Consultado pela Suíça sobre a maneira de instaurar esse diálogo, Pinheiro explicou que "não há uma solução mágica". "O mais urgente é apoiar (...) o processo de mediação de Kofi Annan", prosseguiu, reiterando seu apelo por um cessar-fogo imediato e por um "acordo negociado com a participação de todas as partes". "Precisamos de um processo de mediação paciente para pôr fim a esta crise", concluiu.

Sob mandato desde agosto de 2011 do Conselho de Direitos Humanos da ONU, a Comissão concluiu que as forças de segurança sírias cometeram crimes contra a Humanidade durante a brutal repressão aos opositores. A violência deixou mais de 8.500 mortos desde 15 de março de 2011, segundo o opositor Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH). Mais de 30.000 refugiados foram registrados pelo Alto Comissariado para os Refugiados (Acnur) que, citando números do Crescente Vermelho sírio, estima que existam 200.000 deslocados.