Acusado de terrorismo em Nova York se declara inocente 

José Pimentel, o dominicano naturalizado americano acusado de conspiração terrorista em Nova York, declarou-se nesta terça-feira inocente das acusações, em uma audiência realizada nos tribunais de Manhattan.

O juiz Thomas Farber fixou para 17 de abril uma nova audiência neste polêmico caso de terrorismo, que pode custar a Pimentel uma pena de prisão perpétua.

O acusado, de 27 anos, se apresentou ao juiz vestido com um macacão laranja de preso, usando óculos e com barba. Ele estava acompanhado de suas advogadas Lori Cohen e Susan Walsh.

No dia 29 de fevereiro o procurador de Manhattan, Cyrus Vance Jr., apresentou a ata de acusação contra Pimentel, detido pela Polícia de Nova York em novembro passado por fabricar bombas artesanais em seu apartamento com o intuito de cometer atos terroristas.

Pimentel é acusado de "conspiração em quarto grau como crime de terrorismo", de "posse criminosa de arma em primeiro grau como crime de terrorismo", de "posse criminosa de arma em terceiro grau" e de duas acusações por "tentativa de posse criminosa de arma em primeiro grau como crime de terrorismo".

Caso seja considerado culpado das cinco acusações, Pimentel corre o risco de ser condenado à prisão perpétua.

Para os advogados de defesa, Pimentel, um desempregado que se converteu ao Islã e "simpatizante" da Al-Qaeda, segundo a Procuradoria, é vítima de "excesso policial".