Número de mortos na Síria já passa de 200, afirma Direitos Humanos

Ao menos 217 civis morreram e várias centenas ficaram feridas na noite desta sexta para sábado em Homs (centro) por tiros de morteiro, afirmou o opositor Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH, com sede no Reino Unido), que pediu ao povo para sair às ruas. 

Cerca de 138 pessoas, entre elas mulheres e crianças, morreram no bairro de Al-Khalidiya e 79 e outros distritos, segundo um comunicado da OSDH, que pede que o ‘povo sírio de todas as regiões saia às ruas das cidades e povoados e se levantem contra o regime que neste momento comete um verdadeiro massacre em Homs’. 

O canal de televisão Al-Jazeera citou, por sua vez, ‘fortes confrontos’ na cidade de Homs, entre o exército e grupos de desertores. 

O diretor do OSDH, Rami Abderrahman, declarou à AFP que não tinha informações sobre isso. 

No entanto, disse, o exército sírio também disparou nas regiões de Al-Zabadani e Al-Ghouta. 

Nesta sexta-feira, milhares de sírios protestaram em todo o país, particularmente em Damasco, para lembrar o 30º aniversário do massacre de Hama (centro), onde as forças do regime de Bashar al Assad dispararam, como em outros lugares, para dispersar os manifestantes.