Obama pede que ricos se preocupem com os pobres em nome da religião 

WASHINGTON - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, pediu nesta quinta-feira que, "pelo amor de Deus", os ricos se preocupem com os pobres, depois de seu provável adversário nas eleições presidenciais de novembro ter dito que não se preocupa muito com "os mais pobres".

Em declarações durante um "café da manhã nacional de oração", Obama citou uma epístola de São João, que ganhou um significado especial um dia depois das declarações do candidato favorito para representar os republicanos na eleição presidencial de 6 de novembro, o multimilionário Mitt Romney.

"Não estou preocupado com os mais pobres. Contamos com uma rede de segurança social. Se precisar ser reparada, vou fazê-lo. Não estou preocupado com os muito ricos, porque estão muito bem", disse Romney em declarações à CNN. Seus adversários, tanto os republicanos como os democratas, focaram-se na primeira frase para criticá-lo.

"São João nos disse: 'se alguém que possui os bens terrenos, e que, vendo seu irmão em necessidade, não tem piedade dele, como pode o amor de Deus estar em seu interior?", disse Obama nesta quinta-feira de manhã.

Em termos mais gerais, Obama mencionou o importante papel que a religião exerce em suas tendências políticas.

"Quando digo que as instituições financeiras devem respeitar as mesmas regras que os americanos comuns, quando digo que as companhias de seguros não devem discriminar os doentes (...) é porque acredito no mandamento de Deus que ordena amar o próximo como a si mesmo", declarou.

"Como cristão, para mim, isto coincide com os ensinamentos de Jesus segundo os quais a quem muito se dá, muito se pedirá", acrescentou o presidente americano.