Líbano: Corte Especial julgará à revelia acusados de matar Hariri?

O Tribunal Especial para o Líbano (TEL) anunciou nesta quarta-feira que julgará à revelia os quatro membros do Hezbollah acusados do assassinato do ex-primeiro-ministro libanês Rafic Hariri, contra os quais foram emitidos mandados de prisão.

"A sala da primeira instância do Tribunal Especial para o Líbano decidiu julgar à revelia os quatro homens acusados pelo atentado cometido em Beirute, no 14 de fevereiro de 2005" em que Hariri morreu, informou a corte, com sede em Haia, em um comunicado.

"A Câmara de Julgamento concluiu que todas as medidas razoáveis foram tomadas para garantir a presença dos acusados e notificá-los das acusações contra eles", acrescentou.

O TEL expediu mandados de prisão para Salim Ayyash, Mustafa Badreddine, Hussein Anaissi e Assad Sabra para as autoridades libanesas no dia 30 de junho e a Interpol emitiu um "alerta vermelho" em julho. Beirute, contudo, não conseguiu prendê-los.

Os quatro são acusados de assassinar Hariri e outras 21 pessoas em um ataque suicida com um carro bomba próximo a um hotel de Beirute, dia 14 de fevereiro de 2005, quando o político estava a caminho de casa.

O TEL é a única corte internacional que tem um mandado para julgar suspeitos à revelia. Criado em 2007 por uma resolução do Conselho de Segurança à pedido do Líbano, o TEL começou a funcionar em 2009, sendo responsável por julgar os suspeitos do assassinato de Hariri.