Campanha de Obama minimiza triunfo de Romney nas primárias 

A equipe de campanha do presidente Barack Obama minimizou nesta quarta-feira a contundente vitória de Mitt Romney na primária republicana da Flórida, considerando que sua agressiva campanha o afasta do crucial grupo de eleitores centristas.

Romney derrotou na terça-feira seu rival conservador Newt Gingrich ao obter 46% dos votos (contra 32%) na primária republicana em um estado considerado muito importante na corrida pela candidatura presidencial para a eleição geral, já que sua diversidade reflete a composição dos Estados Unidos em seu conjunto.

A vitória permitiu ao multimilionário Romney apagar a humilhante derrota que sofreu nas mãos de Gingrich na Carolina do Sul e recuperar sua posição de claro favorito para disputar a Casa Branca dia 6 de novembro.

O comitê de campanha do presidente democrata está consciente do fato de que um moderado como Romney será mais difícil de derrotar que Gingrich, cujo caráter descontrolado oferece muito mais argumentos para o ataque.

A equipe de Obama passou à ofensiva na madrugada desta quarta-feira dizendo que a vitória de Romney na Flórida tinha custado "muito caro" para ele.

"Ele e seus aliados tiveram que gastar mais de 15 milhões de dólares, cinco vezes mais que o que a campanha de Gingrich gastou", afirmou a subdiretora de campanha do Partido Democrata, Stephanie Cutter.

"Por outro lado, e ainda são más notícias para Romney, sua campanha negativa sem precedentes e de extrema direita na Flórida continuou afastando-o dos eleitores de centro de quem vai precisar em novembro", acrescentou Cutter em um comunicado enviado à imprensa.

Estes centristas, cujo apoio pode ser decisivo na eleição presidencial de 2012 como foi para a vitória de Obama em 2008, devem estar assustados, segundo Cutter, por "uma campanha onde mais de nove em cada dez anúncios de televisão foram negativos, o que a transformou, de longe, na campanha mais negativa na história da Flórida".

Cutter fez menção a uma pesquisa feita dia 24 de janeiro pelo The Washington Post em colaboração com a rede ABC, segundo a qual apenas 23% dos eleitores independentes têm uma opinião favorável a Romney, contra 51% desfavorável.

A ofensiva democrata responde a uma reorientação do discurso de Romney, que depois de não ter poupado duros ataques contra seu rival Gingrich na Flórida, dedicou a maior parte de seu discurso da vitória na noite de terça-feira à, segundo ele, desastrosa gestão de Obama.

Em um flerte com o eleitorado centrista, Romney disse na quarta-feira à CNN que sua proposta estava "dirigida aos americanos de renda média", continuando o caminho de Obama, que construiu sua campanha de reeleição se colocando como o defensor da classe média.

Romney, ex-dono de uma empresa de investimentos de risco e que diz dispor de uma fortuna de 250 milhões de dólares, se viu em dificuldades com relação a sua situação fiscal antes das primárias na Flórida, com a divulgação de informação sobre contas na Suíça e em paraísos fiscais.

Nesta quarta-feira, mencionou entre suas preocupações "os aposentados que dependem do sistema público de pensões, os que não encontram trabalho, as pessoas cujos filhos se preparam para ir para a universidade".

"Estas são as pessoas que mais sofreram durante os anos de Obama", disse, visando as próximas primárias em Nevada (oeste), um estado muito afetado pela crise da habitação e onde será realizada a próxima consulta para nomeação do candidato republicano.