Resgate usa explosivos para acessar áreas remotas do Costa Concordia

As equipes de resgate provocaram explosões controladas nesta terça-feira para entrar no cruzeiro Costa Concordia, acidentado na costa da Itália, em uma busca por sobreviventes após as autoridades elevarem para 29 o número de pessoas desaparecidas no acidente. 

As duas explosões foram realizadas logo cedo para permitir que mergulhadores e bombeiros entrassem em partes da embarcação às quais ainda não tinham tido acesso. 

Os proprietários do Costa Concordia atribuíram a culpa ao comandante do navio, que na noite de sexta-feira teria se aproximado demais da ilha de Giglio, na costa oeste italiana, para "saudar" a população local. 

A embarcação de 114,5 mil toneladas deslizou na segunda-feira um pouco sobre as pedras, ameaçando jogar toda a sua gigantesca carcaça e 2.300 toneladas de combustível para o fundo do mar. Giglio está localizada em uma região que é uma reserva ecológica. O navio está virado de lado, com um grande rombo aparente acima da linha da água. 

Naufrágio do Costa Concordia

O cruzeiro Costa Concordia naufragou na última sexta-feira, dia 13 de janeiro, após colidir em uma rocha nas proximidades da ilha de Giglio, na costa italiana da Toscana. Mais de 4,2 mil pessoas estavam a bordo. Até a manhã de segunda-feira, dia 16, seis mortes haviam sido confirmadas. Outras 29 pessoas seguiam desaparecidas: 25 turistas e quatro tripulantes. 

O Itamaraty informou que 57 brasileiros estavam a bordo do navio, mas não há indícios de que eles estejam entre as pessoas que ainda não foram encontradas.

Segundo as primeiras informações sobre as causas do acidente, o navio, que tem 290 metros de comprimento e 114,5 mil toneladas, margeava a ilha de Giglio quando bateu em uma rocha e começou a adernar. Houve pânico entre os passageiros, que reclamaram de despreparo da tripulação e luta por coletes salva-vidas. O comandante do Costa Concordia, Francesco Schettino, foi acusado de ter abandonado o navio. Ele nega, mas a empresa responsável pela embarcação se posicionou confirmando a negligência do capitão.