Médicos Sem Fronteiras confirma morte de dois funcionários na Somália 

Dois funcionários da organização Médicos sem Fronteiras (MSF), um indonésio e um belga, faleceram em um tiroteio na sede da organização na capital somali, confirmou nesta sexta-feira o MSF.

"O Médicos sem Fronteiras confirma com muita tristeza a morte de dois membros de seu quadro de funcionários" na quinta-feira, após "um tiroteio em um edifício da organização em Mogadíscio", indicou o MSF em um comunicado.

Segundo o MSF, as vítimas são Philippe Havet, um coordenador de emergências belga de 53 anos, que trabalhava para a organização desde 2000, e Andrias Karel Keiluhu, um médico indonésio de 44 anos, que trabalhava para o grupo desde 1998.

Fontes médicas e policiais anunciaram anteriormente que dois funcionários do Médicos sem Fronteiras (MSF) faleceram em um tiroteio na sede da organização na capital somali.

A polícia acredita que o suposto autor dos disparos, preso após o tiroteio, também foi funcionário do MSF e que a organização o demitiu recentemente. Segundo um membro local da organização, o suspeito brigou com seu empregador na quarta-feira e voltou armado no dia seguinte.

Segundo a organização, "as circunstâncias exatas do tiroteio ainda são desconhecidas". "O MSF vai transferir alguns colaboradores por motivos de segurança", acrescentou, mas "mantém seu compromisso de prosseguir com seu trabalho humanitário em Mogadíscio e no resto da Somália".