Cristina Kirchner agradece apoio após anúncio de que tem câncer

A presidente argentina, Cristina Kirchner, agradeceu nesta quarta-feira o apoio recebido pelos demais países latino-americanos e dentro de seu país após o anúncio de que sofre de um câncer de tireóide, e afirmou que seguirá trabalhando com "o maior dos compromissos".

"Vou continuar trabalhando com o maior dos compromissos e quero agradecer tudo o que possam fazer pela Argentina, por ela é a única coisa que peço", disse Kirchner em uma cerimônia com governadores na Casa Rosada (governo), na primeira aparição pública após o anúncio, na terça-feira, de que sofre com um câncer de tireóide sem metástase, razão pela qual será operada em 4 de janeiro.

Ainda de luto, mais de um ano após a morte de seu marido e antecessor Néstor Kirchner, Cristina disse que o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, foi o primeiro chefe de Estado a contactá-la quando a notícia da doença foi divulgada.

>> Dilma telefona para dar apoio a Cristina Kirchner

>> Chávez acusa EUA de induzir câncer em líderes sul-americanos

Posteriormente, acrescentou, ela falou com Sebastián Piñera (Chile), com a presidente brasileira Dilma Roussef e com Juan Manuel Santos (Colômbia).

"Imaginem que o primeiro que me telefonou foi Hugo Chávez. Disse a ele: ''Você e seu congresso superaram o câncer: vou brigar pela presidência honorária para você e para todos", disse Kirchner ao se referir aos presidentes da região que tiveram ou têm a doença, como o presidente venezuelano, Dilma Rousseff e Fernando Lugo (Paraguai).

Kirchner, de 58 anos, será operada na quarta-feira em uma clínica privada da cidade de Pilar (50 km ao norte) e permanecerá de licença até o dia 24 de janeiro.

A operação, que, segundo os especialistas, tem um prognóstico muito bom, será realizada menos de um mês após a presidente ter assumido seu segundo mandato até 2015.