Crise política no Iraque por renúncia de segundo grupo parlamentar

O segundo maior grupo parlamentar iraquiano, o laico Al Iraqiya do ex-primeiro-ministro Iyad Alaui, anunciou neste sábado que suspende sua participação no Parlamento, provocando a maior crise política do Iraque num momento em que os últimos soldados americanos estão abandonando o país.

"Como já não podemos guardar silêncio sobre a maneira pela qual o Estado está sendo administrado (...), o bloco Al Iraqiya suspende sua participação no Parlamento a partir de sábado", disse o grupo em um comunicado.

O Al Iraqiya "convoca a abertura de uma mesa redonda para encontrar uma solução com o objetivo de apoiar a democracia e as instituições civis", acrescenta o comunicado.

O Al Iraqiya, segundo grupo parlamentar com 82 deputados, atrás dos 159 da Aliança Nacional, coalizão de partidos religiosos xiitas, criticou duramente a política do primeiro-ministro, Nuri al-Maliki.

"O Al Iraqiya rejeita a política que consiste em agir ignorando os demais partidos políticos, a politização da justiça, o exercício solitário do poder, a violação da lei", indica.

O partido também acusa o governo de ter "colocado tanques e veículos blindados diante das residências de líderes do Al Iraqiya na Zona Verde", o setor protegido no qual vivem os principais líderes políticos do país e onde se encontram os gabinetes do chefe de governo e as embaixadas americana e britânica.

A decisão coincide com a retirada dos últimos soldados americanos após quase nove anos de presença no Iraque.

O chefe do bloco partidário do clérigo Moqtada Sadr no Parlamento, Baha al-Araji, afirmou que seu partido mediará para fazer o Iraqiya mudar de opinião.

"Tomar uma decisão assim um dia após o fim da ocupação americana acenderá o fogo da divisão, e nós faremos de tudo para apagá-lo", disse.