EUA pedem libertação de defensor de direitos humanos Zhisheng

Os Estados Unidos pediram nesta sexta-feira que a China "liberte imediatamente" o defensor de direitos humanos Gao Zhisheng, que foi enviado novamente à prisão por três anos.

A porta-voz do departamento americano de Estado Victoria Nuland disse que os Estados Unidos estão profundamente decepcionados pelo anúncio do retorno de Zhisheng à prisão e pedem a libertação imediata de Gao e um esclarecimento sobre onde se encontra.

"Estamos especialmente preocupados com o estado de saúde de Gao, com seu paradeiro e com as informações de que a família não pôde se comunicar com ele", disse Nuland.

Um tribunal de Pequim voltou a mandar Gao para a cadeia por três anos, depois de ele violar os termos de sua liberdade condicional, disse a agência oficial de notícias Xinhua nesta sexta-feira.

Gao, que defendeu cristãos e trabalhadores de minas de carvão, foi detido em fevereiro de 2009 e mantido incomunicável. Reapareceu em março de 2010, aparentemente libertado pela polícia, embora muitos colegas e amigos dissessem que ele continuava sendo vigiado e seguido pelas autoridades. Voltou a ser preso um mês mais tarde e desde então seu paradeiro é desconhecido.