Rússia descarta novas sanções da ONU contra Irã

A Rússia considera que novas sanções das Nações Unidas ao programa nuclear do Irã já não são possíveis, disse nesta sexta-feira o enviado de Moscou na ONU, ao condenar as ameaças das potências ocidentais contra Teerã e Síria.

"Acreditamos que o caminho das sanções no Conselho de Segurança está esgotado", revelou o embaixador russo, Vitaly Churkin, em entrevista coletiva, ao ser questionado sobre as possíveis ações contra o Irã.

Churkin destacou que "continuamos convencidos de que as negociações com o Irã devem prosseguir" e exortou o Ocidente a mudar sua postura de confronto com o Irã e Síria.

Os Estados Unidos e a União Europeia endureceram, nas últimas semanas, suas sanções contra Teerã e Damasco.

No começo de novembro, a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) apresentou um relatório que expressa "sérias preocupações" com o programa nuclear iraniano, que supostamente tem fins militares.

Segundo Churkin, a Rússia ficou decepcionada com o relatório, já que a análise da AIEA "foi usada mais como um exercício de Relações Públicas do que como um sério esforço nuclear".

A Rússia firmou quatro pacotes de sanções do Conselho de Segurança contra o projeto nuclear do Irã, mas, juntamente com a China, já adiantou que se opõe a novas medidas de punição.

"Acreditamos que o caminho da negociação pode ser retomado", disse Churkin, acrescentando que seu país já realizou tentativas para reiniciar as conversações entre o Irã e o grupo internacional sobre a disputa nuclear, formado por Grã-Bretanha, China, França, Alemanha, Rússia e Estados Unidos.