Chávez: Celac será 'grande polo de poder' sobre 'velha OEA' 

O presidente venezuelano, Hugo Chávez, previu nesta quinta-feira que a Celac - o organismo político americano sem Estados Unidos e Canadá que será criado na cúpula de Caracas - se converterá em um ‘grande polo de poder’ que deixará para trás a ‘velha e desgastada OEA’. 

A Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac) deve ser ‘uma união política e sobre esta união vamos construir um grande polo de poder do século XXI’, prometeu Chávez, anfitrião da reunião de fundação do organismo, neste final de semana, em Caracas. 

Chávez comparou a Celac à Organização dos Estados Americanos (OEA), integrada por todos os países do continente americano, exceto Cuba, expulsa em 1962, e com sede em Washington. 

"A OEA é o velho, um espaço que foi manipulado, dominado pelos Estados Unidos (...), enquanto a Celac nasce com um espírito novo, como uma arma de integração política, econômica e social’, disse Chávez pouco depois de receber em Caracas a presidente Dilma Rousseff. 

"A medida em que os anos passarem, a Celac deixará para trás a velha e desgastada OEA’, previu o líder venezuelano, um dos artífices do organismo político que nasce com a vocação de aparar arestas e conciliar posições entre os 33 países de América Latina e Caribe. 

Chávez disse que o organismo ‘não pode se deixar levar por ideologias governantes’ de cada país, já que a Celac ‘é um processo independente do socialismo cubano, venezuelano e da ideologia que promove os governos de Brasil, Colômbia, Nicarágua...’.