Liga Árabe quer deter 'derramamento de sangue na Síria'

"Temos que fazer o possível para deter o derramamento de sangue que continua na Síria", declarou nesta quarta-feira em Rabat o secretário geral da Liga Árabe, Nabil al Arabi. Ele afirmou que espera "êxito dos esforços" árabes para enviar à Síria observadores para garantir a proteção da população civil.

O conflito já provocou a morte de mais de 3.500 pessoas desde meados de março, segundo a ONU. A Liga concordou em enviar 500 membros das organizações árabes dos direitos Humanos, imprensa e observadores militares para a Síria, informou um responsável da entidade.

Contudo, de acordo com Al Arabi, os observadores não irão para a Síria até que um protocolo de entendimento com Damasco seja firmado. "Nenhum membro da delegação das organizações árabes encarregadas da proteção dos civis partirá à Síria até a assinatura do protocolo, que deverá definir claramente os deveres e direitos de cada parte".

Damasco pediu no domingo que os países árabes enviem ministros à Síria para avaliar a situação e supervisionar a aplicação do plano árabe para resolver a crise. O país cogitou a ideia de receber uma delegação de "observadores, especialistas civis e militares e da imprensa árabe".

O envio de observadores será um dos temas abordados na reunião da Liga Árabe nesta quarta-feira durante a tarde em Rabat.

A Síria também pediu a realização de uma reunião árabe sobre a crise, mas as monarquias do Golfo se opuseram.