EUA: polícia obriga manifestantes do Ocupem Oakland a deixar acampamento

Centenas de agentes da polícia de choque entraram no terreno onde estão acampados há dois meses ativistas do movimento anti-Wall Street Ocupem Oakland na madrugada desta segunda-feira, obrigando-os a deixar o local e realizando mais de 30 prisões, informou a polícia.

Na segunda das operações realizadas nos dois últimos dias, a polícia entrou em confronto na madrugada desta segunda-feira com dezenas de manifestantes que acampavam nessa cidade da periferia de São Francisco em protesto contra a cobiça das corporações, prolongando assim os incidentes que já ocorreram nas últimas semanas.

Várias pessoas que estavam reunidas no local para fazer pregações religiosas foram presas, assim como os manifestantes que permaneceram em suas barracas durante a operação policial. No total, 32 foram presos, segundo a polícia.

O prefeito de Oakland, Jean Quan, disse que a ordem de retirada foi decidida após o assassinato, na quinta-feira passada, de um jovem de 20 anos nos arredores do acampamento.

Há dois meses, os manifestantes mantinham dezenas de barracas no local, desafiando a exigência policial de retirada.

Os fatos desta segunda-feira ocorrem um dia depois de as autoridades liderarem operações semelhantes em outras cidades do oeste dos Estados Unidos.

No domingo, em Portland (Oregon, noroeste), a polícia prendeu 51 manifestantes anti-Wall Street, em uma operação pacífica e na qual a maioria das pessoas se retirou por conta própria.

Na noite de sábado, as autoridades retiraram manifestantes em Denver (Colorado) e Salt Lake City (Utah), no oeste do país, depois que os acampados se negaram a obedecer ordens da polícia para sair das praças.

Segundo o jornal Denver Post, que citou fontes policiais, 17 pessoas foram presas nessa cidade, enquanto em Salt Lake City foram realizadas 19 prisões, segundo informou a polícia local pelo Twitter.

A operação desta segunda-feira em Oakland foi pacífica, mas no início do mês mais de 80 pessoas foram presas e oito ficaram feridas em confrontos com a polícia.