Berlusconi apoia governo tecnocrático, mas diz que 'não se renderá'

O ex-chefe do governo italiano, Silvio Berlusconi, anunciou neste domingo que apoia a formação de um governo "tecnocrático" para salvar a Itália da crise, mas disse também que "não se renderá" e que continuará trabalhando no Parlamento.

"Estamos prontos para apoiar os esforços do presidente da República para formar um governo tecnocrático com um amplo consenso do Parlamento", afirmou Berlusconi em uma mensagem transmitida pela televisão, na qual disse também que "multiplicará" seu trabalho no Parlamento para reformar a Itália.

O economista Mario Monti foi nomeado no domingo como o sucessor de Silvio Berlusconi, que disse esperar voltar ao poder em Itália.

Berlusconi apresentou sua renúncia no sábado, entre vaias e aplausos de centenas de italianos, que foram às ruas para comemorar o que foi considerado "um dia histórico" pela a imprensa italiana.

O multimilionário, no entanto, reconheceu que sentiu "tristeza e pesar" pelas vaias e insultos com que centenas de cidadãos comemoraram no dia anterior a notícia de sua demissão.

"Eu senti tristeza e dor pelo fato de que um gesto generoso foi recebido com vaias e insultos", disse ele.