Opositores sírios se enfrentam ante a sede da Liga Árabe no Cairo

Dezenas de sírios no exílio impediram, esta quarta-feira, que uma delegação de opositores sírios tivesse acesso à sede da Liga Árabe, no Cairo, onde devia ser recebida.

Os opositores sírios do exílio atiraram ovos contra a delegação, sem deixar feridos, e apenas um dos seus membros pôde entrar, constatou um jornalista da AFP.

Trata-se de Hassan Abdel Azim, chefe do Comitê Nacional de Coordenação para a Mudança Democrática, uma coalizão de opositores que reúne nacionalistas árabes e curdos, marxistas e independentes, entre eles o escritor Michel Kilo e o militante Haitham Manaa.

Um dos manifestantes, Mumen Kwayfati, opositor sírio radicado no Cairo, qualificou os membros da delegação de "traidores comprados pelo regime" e os condenou por não terem pedido o congelamento de adesão da Síria à Liga Árabe, nem a implementação de uma zona de exclusão aérea no país.

Estas medidas são solicitadas por outro organismo opositor, o Conselho Nacional Sírio (CNS), coalizão que agrupa a maioria das correntes de oposição ao regime do presidente Bashar Al Asad.

Nabil Al Arabi, secretário-geral da Liga Árabe, disse em entrevista coletiva "lamentar o ataque" contra a delegação, após se reunir com Hassan Abdel Azim.

Haitham Manaa, ex-preso político exilado na França e o escritor Michel Kilo, que permanece na Síria, militam a favor da saída de al Assad, mas nem eles nem os outros membros da delegação pertencem ao CNS.