Conselho de Segurança analisa pedido palestino para integrar ONU

O pedido da Autoridade Nacional Palestina (ANP) para integrar como membro permanente a Organização das Nações Unidas (ONU) será analisado sexta-feira (11) pelo Conselho de Segurança. No entanto, há indicações de que o tema divide os 15 integrantes do órgão. O argumento é que os palestinos não cumpriram os critérios para admissão na organização.

“O comitê [de admissão de novos membros] não foi capaz de tomar uma decisão unânime sobre a recomendação ao Conselho de Segurança”, informa o relatório, elaborado pela delegação de Portugal, que está na presidência do conselho.

O relatório não inclui referências isoladas de posições, mas evidencia as divergências. O assunto será debatido e definido pelas delegações estrangeiras que integram o Conselho de Segurança. Até o fim de dezembro, o Brasil está entre os membros rotativos do órgão.

São membros permanentes do conselho a China, França, Rússia, o Reino Unido e os Estados Unidos. A aprovação do pedido dos palestinos deve contar com o apoio de todos, se houver uma discordância o assunto é rejeitado.

Os  assentos rotativos estão ocupados pela Bósnia e Herzegovina, a Alemanha, Portugal, a Índia, África do Sul, Colômbia, o Líbano, Gabão e a Nigéria, além do Brasil. Em setembro, durante a 66ª Assembleia Geral das Nações Unidas, a presidente Dilma Rousseff defendeu o direito de um Estado da Palestina autônomo e independente.