Líbia: seis meses de insurreição e guerra civil

Veja as datas-chave desde o início da insurreição, iniciada no dia 15 de fevereiro contra o regime de Muamar Kadhafi, na Líbia, que se transformou em um conflito armado.

--FEVEREIRO 2011--

- 15-19: Protestos sem precedentes contra o regime reprimidos violentamente em Benghazi e Baida (leste). A insurreição se estende para outras cidades.

- 22: O ministro da Justiça, Mustafá Abdelkhalil, e o do Interior, Abdel Fatah Yunes, se juntam à rebelião e se tornam pilares da mesma. Dezenas de personalidades políticas e militares seguem o exemplo.

- 23-25: A zona que vai da fronteira egípcia até Ajdabiya, incluindo Tobruk e Benghazi, é tomada pelos insurgentes.

- 28: Depois da ONU e dos Estados Unidos, a União Europeia impõe sanções contra o regime.

--MARÇO--

- 10: A França reconhece o Conselho Nacional de Transição (CNT), criado no final de fevereiro pela oposição em Benghazi, como "único representante da Líbia". Desde então, outros 25 países reconheceram igualmente o órgão político dos rebeldes.

- 17: O Conselho de Segurança da ONU autoriza o uso da força contra as tropas do regime para proteger os civis.

- 18-19: Os pró-Kadhafi atacam Benghazi, "capital" dos rebeldes. A coalizão passa para a ofensiva e bombardeia as forças do regime que se retiram para o oeste.

- 31: A Otan assume o comando da operação "Protetor Unificado".

--ABRIL--

- 1: Primeiro erro da Otan, que mata nove combatentes rebeldes e quatro civis no leste do país ao bombardear um comboio.

- 13: O Grupo de Contato, responsável político pela intervenção, reconhece o CNT e pede o avanço contra Kadhafi. A frente leste faz numerosos avanços e retiradas e se estabiliza entre Brega e Ajdabiya.

- 20: Londres, Paris e Roma enviam conselheiros militares para o CNT. Egito e Estados Unidos fazem o mesmo depois.

--MAIO--

- 1: Um dos filhos e três netos de Kadhafi morrem em um bombardeio da Otan.

- 11: Depois de dois dias de combates, os rebeldes tomam o aeroporto de Misrata e começam o cerco a leste de Trípoli.

- 27: Moscou pede a saída de Kadhafi.

--JUNHO--

- 1: A Otan prolonga sua missão até o final de setembro.

- 27: O Tribunal Penal Internacional emite uma ordem de prisão contra Kadhafi, seu filho Seif al-Islam e o chefe do serviço secreto Abdullah al-Senusi por crimes contra a Humanidade.

- 29: A França reconhece ter lançado de paraquedas armas para os rebeldes em Djebel Nefusa (sudoeste de Trípoli).

--JULHO--

- 6: Ofensiva rebelde em Djebel Nusa.

- 15: O Grupo de Contato reconhece o CNT como a "autoridade governamental legítima".

- 28: Assassinato do general Yunes, que era o chefe do Estado-Maior da rebelião.

- 31: Ataque rebelde contra os partidários de Kadhafi, em Benghazi.

--AGOSTO--

- 8: Mustafá Abdelkhalil, eleito presidente do CNT, assume o governo interino.

- 9: O regime acusa a Otan de ter matado 85 civis em um ataque à cidade de Zliten (oeste).

- 14: Negociações secretas entre rebeldes e representantes do regime em Djerba (Tunísia), segundo uma fonte próxima à segurança tunisiana, que teve a participação de um enviado do presidente do governo venezuelano Hugo Chávez. A fonte não indicou o nome do enviado.

- 15: Kadhafi prevê um "final próximo" para os rebeldes, que anunciaram ter tomado o controle da maior parte de Zawiya, Garián e Sorman, no maior avanço feito para o oeste. Washington se mostra "estimulado" pelos avanços. No leste, os rebeldes controlam toda a zona residencial do leste de Brega.

Chega à Tunísia um enviado especial da ONU para participar das negociações entre os responsáveis do regime e da rebelião. Um porta-voz da ONU desmente que o enviado irá participar das negociações.

-- SETEMBRO --

- 1: A ONU e as grandes potências desbloquearam para o CNT 15 bilhões de dólares líbios congelados.

- 9: Interpol emite um "alerta vermelho" depois de uma ordem de prisão internacional emitida pelo Tribunal Penal Internacional (TPI) "por supostos crimes contra a Humanidade".

- 15: Nicolas Sarkozy e David Cameron visitam a Líbia.

- 16: A ONU reconhece o CNT.

- 20: A "revolução" já provocou a morte de 25.000 pessoas, segundo o presidente do CNT, Mustafá Abdul Jalil.

- 21: As forças do novo regime conquistam Sebha e Waddan, no sul do deserto.

--OUTUBRO--

- 9 e 11: em Sirte, os pró-CNT conseguem avançar e tomar o controle da Universidade e do centro de conferências Uagadugu, e posteriormente do quartel general da polícia.

- 13: Reabertura parcial do espaço aéreo. Volta a funcionar o gasoduto entre Líbia e Itália.

- 17: Bani Walid, no sudeste de Trípoli, é "totalmente libertada" (CNT)

- 18: Visita surpresa à Trípoli da secretária do Estado americano, Hillary Clinton.

- 19: O N°2 do CNT, Mahmud Jibril, alerta que a batalha política pode levar o país ao "caos".

- 20: Muammar Kadhafi é capturado em Sirte e morto, anunciam o CNT e uma televisão líbia. Sirte, último reduto do regime deposto, é libertada.