Líder xiita iraquiano pede retirada americana e indenização

O líder radical xiita iraquiano Moqtada al-Sadr considerou nesta quarta-feira aceitável a permanência de instrutores militares americanos no Iraque após o fim do ano, com a condição de que o Exército americano se retire completamente e os Estados Unidos paguem uma indenização ao país.

"Foi dito que as armas que o Iraque compra são americanas. Portanto, os instrutores também deveriam ser", considerou o líder xiita em um discurso transmitido pela rede de TV Al-Masar.

"Dizemos que isso não deve acontecer, a não ser que haja uma retirada completa dos ocupantes e, depois, seja assinado um novo acordo, após o pagamento de uma indenização", acrescentou. "Continuamos nos opondo à presença americana no Iraque, o que consideramos uma ocupação. Manter instrutores americanos no país faz parte disso."

As negociações entre Estados Unidos e Iraque sobre a permanência de um contingente de instrutores militares no país depois de 2011 estão paralisadas.