EUA anunciam negociações com a Coreia do Norte na próxima semana

Uma delegação de autoridades dos Estados Unidos se reunirá nos dias 24 e 25 de outubro em Genebra com uma delegação norte-coreana para abordar o programa de armas nucleares de Pyongyang, confirmou nesta quarta-feira o porta-voz da diplomacia americana, Mark Toner.

"Esta é a continuação das reuniões exploratórias para determinar se a Coreia do Norte está preparada para (...) cumprir com suas obrigações internacionais e tomar medidas concretas para a desnuclearização", disse Toner.

A delegação norte-coreana será liderada pelo vice-primeiro-ministro, Kim Kye-gwan.

Toner anunciou também a saída do posto de enviado dos Estados Unidos para a Coreia do Norte de Stephen Bosworth, que será substituído por Glyn Davis, atual embaixador na Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA).

"É uma mudança de pessoal, não de política", afirmou Toner.

As negociações a seis partes (duas Coreias, China, Japão, Rússia e Estados Unidos) buscam convencer Pyongyang a abandonar seu programa nuclear em troca de uma ajuda substancial.

Victor Cha, que foi assessor para questões relacionadas à Coreia do Norte do ex-presidente George W. Bush e atualmente professor na Georgetown University, disse que o diálogo pode reduzir a tensão, embora o governo insista que não está interessado em "falar por falar".

"A Coreia do Norte nos deixa entre opções ruins e piores. Evitar o diálogo somente reforça um programa nuclear sem controle e gera mais provocações", advertiu.

"O diálogo pode não levar à desnuclearização, mas ajuda a manejar a situação, evitar uma crise ... e, possivelmente, oferecer pequenas vitórias, congelando elementos do programa", acrescentou.

"Não é grande coisa, mas talvez seja tudo o que se poda conseguir", disse.

As longas negociações, iniciadas em 2003, ficaram estagnadas em dezembro de 2008.

A Coreia do Norte se retirou oficialmente das conversações em abril de 2009, um mês antes de realizar um segundo teste nuclear, depois do de 2006.

Depois de um desastroso 2010, marcado por fortes tensões entre as duas Coreias, um alto funcionário norte-coreano viajou a Nova York em julho para se reunir com Bosworth.