Tiros contra manifestantes deixam cinco mortos na capital iemenita

Cinco pessoas morreram e dezenas ficaram feridas, em Sanaa, na repressão a um protesto que exigia a renúncia do presidente iemenita Ali Abdullah Saleh.

Soldados leais a Saleh e civis armados abriram fogo contra milhares de jovens que se aproximavam de prédios oficiais no bairro de Al-Qaa.

A iemenita Tawakkol Karman, Prêmio Nobel da Paz, pediu nesta terça-feira a intervenção imediata da ONU para "deter a matança de manifestantes pacíficos".

Após vários meses de protestos e pressões internacionais e regionais, Saleh, no poder há 33 anos e acusado de corrupção e nepotismo, se nega a deixar o poder e rejeita um plano elaborado pelas monarquias árabes do Golfo para uma transferência pacífica do poder.