Estados Unidos acusam Síria de intimidar diplomatas

Os Estados Unidos acusaram nesta quinta-feira o governo da Síria de estar por trás do que chamou de uma campanha de intimidação contra diplomatas americanos, após um ataque contra o embaixador Robert Ford.

"Acreditamos que isso é parte de uma campanha de intimidação contra nossos diplomatas... por parte do governo", disse à imprensa o porta-voz do Departamento de Estado, Mark Toner.

Ford, embaixador dos Estados Unidos em Damasco, foi vaiado nesta quinta-feira por manifestantes leais ao regime que tentaram agredi-lo em sua chegada ao gabinete do opositor Hassan Abdelazim, que afirmou à AFP que "cerca de 100 manifestantes" tentavam tomar seu escritório.

Ford esperou a chegada das forças de ordem para sair sob sua proteção, completou Abdelazim.

A Casa Branca condenou o ataque "injustificado" e pediu que o Senado americano confirme sua nomeação com o objetivo de poder continuar sua "valente" missão.

Ford foi nomeado por decreto pelo presidente Barack Obama em dezembro passado. O presidente aproveitou as férias do Congresso para evitar a obstrução de seus adversários republicanos, cuja minoria na câmara alta tem poder de veto.