Rei saudita anula sentença contra mulher condenada por dirigir

O rei Abdullah da Arábia Saudita anulou nesta quarta-feira a sentença de uma mulher condenada a dez chibatadas por ter dirigido um automóvel, violando a lei que proíbe as mulheres de dirigir, anunciou uma princesa saudita.

"Graças a Deus a flagelação de Sheima foi anulada. Graças a nosso amado rei", anunciou em sua conta do Twitter a princesa Amira Tawil, mulher do sobrinho do rei e homem de negócios Walid ben Talal. A anulação da condenação foi confirmada por uma fonte em Riad.

Sheima Jastaniah foi condenada na segunda-feira por um tribunal de Yeda, cidade onde havia sido detida em julho quando dirigia um carro, segundo anunciou na terça-feira uma militante de defesa dos direitos humanos.

Segundo ela, Sheima Jastaniah "não quis falar aos meios de comunicação sobre seu processo e estamos impressionados" de que tenha sido condenada a dez chibatadas.

Essa condenação ocorreu um dia depois do anúncio histórico feito pelo rei Abdullah que deu às mulheres o direito ao voto e à candidatura nas eleições municipais e para sua entrada ao Majlis al-Shura, conselho consultivo cujos membros são nomeados.

A Anistia Internacional condenou essa sentença, ao afirmar que mostrava a "magnitude das discriminações contra as mulheres".