Chávez cria comissão para avaliar situação de empresa nacionalizada

Em meio às polêmicas sobre a privatização da empresa Ferries Consolidado (Conferry), que controla o transporte de barcas de Puerto La Cruz até a Ilha Margarita, o governo da Venezuela decidiu hoje (28) que será criada uma comissão de transição para avaliar a situação da companhia.

Ontem (27) o presidente do país, Hugo Chávez, anunciou a nacionalização do sistema de transporte marítimo alegando uma série de irregularidades envolvendo a Conferry.

Chávez disse hoje, em entrevista à emissora estatal de televisão da Venezuela (VTV), que tomou algumas medidas preliminares, mas não as mencionou.

Segundo o ministro dos Transportes e Comunicação, Francisco Garces, o processo de nacionalização da Conferry vem ocorrendo há algum tempo. De acordo com ele, a empresa de barcas foi nacionalizada para melhorar a qualidade dos serviços prestados. "Para nós é essencial que as pessoas sejam tratadas de forma adequada e tenham suas necessidades atendidas por meio de um serviço de transporte eficiente", disse.

O ministro rebateu as críticas que o governo sofreu por nacionalizar a empresa. De acordo com Garces, os contrários à medida atuam em causa própria e em defesa de seus interesses econômicos. Segundo ele, a Conferry oferecia um serviço sem qualidade para os usuários. “Havia uma situação insustentável”, disse.

Recentemente a empresa foi fechada e multada pelo governo venezuelano por vender um número maior de passagens do que o previsto. A multa foi aplicada também por causa de atrasos nas viagens durante a férias escolares.

Om dos principais destinos turísticos da Venezuela, a Ilha Margarita fica de duas a cinco horas de viagem de barca de Puerto de La Cruz, no Nordeste no país. O local é elogiado por suas belezas naturais.