Quarenta mortos em combates depois da volta de Saleh ao Iêmen

Pelo menos 40 pessoas morreram neste sábado na violência que sacode a capital Sanaa, onde partidários e opositores do presidente Ali Abddulah Saleh se enfrentam, anunciou o comitê de organização dos rebeldes.

A capital iemenita vive cenas de muita violência desde a volta na véspera do presidente Saleh depois de três meses de estada na Arábia Saudita, onde estava hospitalizado desde 3 de junho depois de um atentado contra o palácio presidencial.

Os combates deste sábado elevaram para 172 o número de pessoas que morreram desde o início da onda de violência no domingo passado na capital, segundo cálculos da AFP.

A maioria das mortes ocorreu em um ataque do Exército iemenita na madrugada deste sábado contra a Praça da Mudança em Sanaa, epicentro dos protestos no Iêmen.

As forças do presidente Saleh lançaram logo após a meia-noite um ataque com diferentes tipos de armas contra os manifestantes reunidos na Praça da Mudança, tomada desde o final de janeiro pelos manifestantes que exigem a saída do chefe de Estado.

Os manifestantes também foram alvo de franco-atiradores posicionados em prédios em torno da Praça da Mudança, segundo testemunhas.

Uma hora após o início do ataque, as forças leais a Saleh tentavam tomar a Praça da Mudança, bombardeada por todos os lados.

A Praça, no norte da capital, é protegida pelo general dissidente Ali Mohsen Al Ahmar, que enfrenta principalmente as unidades da Guarda Republicana, corpo de elite do Exército dirigido por Ahmed, filho mais velho do presidente Saleh.

Também ocorriam combates na madrugada de sábado na entrada do bairro de Hasaba, no norte da capital, entre as forças leais a Saleh e homens do poderoso chefe tribal Sadek Al Ahmar.

O ataque contra a Praça da Mudança acontece após o regresso, na manhã de hoje, do presidente Saleh a Sanaa, ao final de três meses de tratamento médico na Arábia Saudita, onde foi hospitalizado devido ao bombardeio contra o Palácio Presidencial, no dia 3 de junho.

Saleh fez um apelo ao cessar-fogo e destacou que "não há outra solução que o diálogo e as negociações de paz para se acabar com o derramamento de sangue". "Chego com um ramo de oliva nas mãos".

O retorno de Saleh a Sanaa levou milhares de partidários do presidente à avenida Sabiine, diante do Palácio Presidencial, enquanto a oposição realizou uma gigantesca contramanifestação na avenida Sittine, junto à Praça da Mudança.

Segundo a agência oficial Saba, Saleh deve pronunciar "um importante discurso ao povo por ocasião do 49º aniversário da revolução de 26 de setembro", que marcou a criação da República do Iêmen.

Desde o domingo passado, ao menos 120 pessoas morreram na capital do Iêmen devido à onda de violência que abala o país.