Papa alerta contra os riscos de leis que ameaçam a liberdade e a dignidade

O Papa Bento XVI alertou nesta quinta-feira aos deputados alemães contra as leis contrárias à liberdade e a dignidade humanas, pedindo aos europeus que voltem às fontes de sua cultura que são "Jerusalém, Atenas e Roma".

O sumo pontífice falou pela primeira vez ante o Bundestag, num discurso sobre a liberdade, mas sem fazer alusões aos problemas específicos da sociedade, da economia e da Igreja alemãs.

"Em um momento histórico, no qual o homem adquiriu um poder até agora inimaginável (...) tem a capacidade de destruir o mundo. Pode-se manipular a si mesmo. Pode, por assim dizer, fazer seres humanos e privar de sua humanidade outros seres humanos", afirmou, fazendo alusão aparentemente à seleção genética e ao aborto terapêutico.

Bento XVI mencionou algumas "questões fundamentais do direito, nas quais está em jogo a dignidade do homem, para as quais o princípio da maioria não basta e onde cada pessoa responsável deve buscar os critérios de sua própria orientação".

O Papa recordou que nos primeiros séculos da Igreja "a resistência a certos regulamentos jurídicos vigentes foi justificada".

"Baseados nesta convicção, os combatentes da Resistências atuaram contra o regime nazista e outros regimes totalitários", enfatizou.

"Nós, os alemães (...) experimentamos como o poder se separou do direito, enfrentou o direito, como pisoteou o direito, de maneira que o Estado se converteu num instrumentos para a destruição do direito", acrescentou.

"O Estado se transformou num bando de bandidos muito bem organizado, que pode ameaçar o mundo inteiro e empurrá-lo à beira do abismo", declarou o Papa, referindo-se à ditadura de Hitler.

Segundo o Papa, os direitos humanos, a igualdade de todos diante da lei, a inviolabilidade da dignidade humana encontram sua origem na fé em um "Deus criador".

"A cultura da Europa nasceu do encontro entre Jerusalém, Atenas e Roma, do encontro entre a fé no Deus de Israel, na razão filosófica dos gregos e o pensamento jurídico de Roma".

"Este triplo encontro configura a íntima identidade da Europa" enfatizou.