EUA: detidos 17 suspeitos que vendiam sexo como cura religiosa

 Vinte "curadores neotântricos", pertencentes a um grupo chamado "Templo da Deusa", foram detidos no oeste dos Estados Unidos por oferecer serviços sexuais sob o pretexto de praticar curas religiosas "new age".

A polícia ainda procura outros 17 suspeitos e se espera que se anunciem mais prisões em breve, informou o sargento Steve Martos, da polícia de Phoenix, Arizona (sudoeste dos Estados Unidos).

O inquérito sobre o Templo da Deusa em Phoenix durou seus meses, segundo o escritório da promotoria do condado, e derivou, em 7 de setembro, em batidas em Phoenix e na cidade de Sedona, ao norte do estado e refúgio de turistas.

Segundo o promotor de Maricopa, Bill Montgomery, há evidências suficientes para mostrar que "curadores" homens e mulheres praticavam atos sexuais em troca de "doações" em dinheiro ocultas, sob o pretexto de oferecer serviços religiosos.

O Templo da Deusa - que abriu sua sede em Phoenix em 2005 e a sucursal em Sedona em 2008 - supostamente oferece terapias "neotântricas", uma versão moderna e ocidentalizada do "tantra" indiano, que tem no sexo uma de suas principais práticas espirituais.

O templo se define como uma organização "de trabalhadores corporais, assessores sexuais, terapeutas táteis, substitutos sexuais, curadores intiuitivos, terapeutas tântricos certificados, educadores sexuais e curadores que praticam ioga e outros sistemas de cura e doação de poderes".

Segundo informe da ABC News, o templo oferecia sessões de educação sexual e aulas com brinquedos sexuais, e promovia uma sessão de "cura do bloqueio sexual" por 650 dólares.

É "desanimador que alguns tentem disfarçar seus crimes na liberdade religiosa", disse o chefe de polícia de Phoenix, Joseph Yahner.

Entre os detidos está a fundadora do Templo da Deusa, Tracy Elise, que já foi objeto de uma investigação similar por um suposto bordel em Seattle, Washington, fechado em 2009.

Elise é acusada de prostituição, controle ilegal de uma empresa, proxenetismo e operação de uma casa de encontros, enquanto os demais presos são acusados de formação de quadrilha, prostituição e prática de massagens sem licença.

"A proteção da primeira emenda (da Constituição americana) ao livre exercício da religião não permite aos indivíduos trocarem sexo por dinheiro, independente de como isto seja representado", disse Montgomery.