Cameron se reúne com defensores dos Direitos Humanos na Rússia

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, se reuniu nesta segunda-feira em Moscou, durante sua primeira visita à Rússia, com defensores dos Direitos Humanos que denunciaram os assassinatos de opositores e jornalistas.

"Nós abordamos temas dolorosos: torturas, assassinatos de defensores dos Direitos Humanos e de jornalistas (...), a falta de oposição na política, a questão da liberdade de expressão (...) o caso Magnitskï", declarou à AFP o presidente da ONG Memorial, Oleg Orlov.

Sergueï Magnitski trabalhava em um escritório de advocacia americano em Moscou que assessorava o fundo de investimento Hermitage Capital. Morreu na prisão em 2009, aos 37 anos devido à falta de cuidados.

Ele foi preso acusado de fraudes fiscais após denunciar uma vasta conspiração tramada por autoridades da polícia e funcionários da administração fiscal.

"Só o fato de o primeiro-ministro ouvir os defensores dos Direitos Humanos russos já é importante", acrescentou Orlov. A reunião durou aproximadamente 30 minutos.

Outro defensor dos Direitos Humanos, Valéri Borchtchev, disse que Cameron "principalmente ouviu e fez perguntas para saber dos elementos e compreender a opinião" (deles).

Dmitri Muratov, chefe de redação do jornal de oposição Novaïa Gazeta para o qual trabalhava a jornalista assassinada em 2006, Anna Nikitinski, e um representante da ONG Tranparência Internacional, Leonid Nikitinski, também estavam presentes, segundo a agência Ria Novosti.

David Cameron se reuniu hoje com o presidente Dmitri Medvedev e com o primeiro-ministro Vladimir Putin para tentar melhorar as relações com Moscou. Esta é a primeira visita de um chefe de governo britânico à Rússia depois do assassinato do ex-agente russo Alexandre Litvinenko em 2006 em Londres.