Bernard Hogan-Howe é novo chefe da Scotland Yard

O governo britânico anunciou nesta segunda-feira a nomeação de um novo chefe da Scotland Yard, Bernard Hogan-Howe, que deverá restaurar a imagem da polícia londrina após os distúrbios em Londres e o escândalo das escutas telefônicas ilegais no News of the World.

Hogan-Howe, que ocupava interinamente há apenas dois meses o cargo de número dois da Polícia Metropolitana de Londres (MPS), ficará encarregado também de velar pela segurança dos Jogos Olímpicos de Londres 2012, que serão realizados de 27 de julho a 12 de agosto.

O novo chefe, que conta com uma sólida reputação reduzindo o crime durante os anos que passou à frente da polícia de Liverpool (norte da Inglaterra), foi escolhido entre quatro candidatos.

A ministra do Interior, Theresa May, afirmou que Hogan-Howe tem um "excelente histórico como lutador firme e determinado contra o crime", e impressionou os encarregados da eleição por "sua visão para a Polícia Metropolitana, seu compromisso para reduzir o crime e o importante trabalho que realizou para o público".

O escolhido anunciou por sua vez sua intenção de dirigir a Scotland Yard de uma "forma que faça os criminosos terem medo, que mantenha a confiança do público na polícia e que faça os 35.000 oficiais do corpo sentirem-se orgulhosos".

Hogan-Howe, nascido em 1957, sucederá Paul Stephenson, que se demitiu em julho após ter sido envolvido pela imprensa no caso das escutas e foi posteriormente absolvido de qualquer conduta indevida pela Comissão Independente de Queixas da Polícia (IPCC).

Mas a reputação da polícia londrina foi prejudicada pelo escândalo que obrigou o fechamento do tablóide News of the World, depois que alguns de seus oficiais terem sido acusados de aceitar pagamentos de jornalistas e detetives do jornal em troca de informação.

A Scotland Yard também foi criticada pela lentidão com a qual reagiu aos violentos distúrbios que eclodiram em agosto no bairro londrino de Tottenham, e que durante quatro noites ampliaram-se pela capital e para outras cidades inglesas, como Birmingham e Manchester.

A tarefa de Hogan-Howe será ainda mais complicada por conta das medidas de ajuste aprovadas pelo governo, que prevêem um corte de 20% no orçamento da polícia até o fim da legislatura, em 2015.