EUA e África do Sul discordam na ONU sobre ajuda à Líbia

Estados Unidos e África do Sul protagonizaram uma divergência no Conselho de Segurança da ONU na quarta-feira sobre o plano de Washington de liberar 1,5 bilhão de dólares de ativos líbios para ajuda humanitária.

O governo dos Estados Unidos deu prazo até esta quinta-feira para a África do Sul retirar o bloqueio. Em caso contrário, promoverá uma votação no Conselho de Segurança para que o dinheiro bloqueado ao governo de Muamar Kadhafi fique disponível "o mais rápido possível".

A África do Sul insiste que o Conselho deve esperar por um pronunciamento da União Africana (UA), que ainda não reconhece o Conselho Nacional de Transição (CNT) líbio, o que discutirá em um encontro nesta quinta-feira.

Em Johannesburgo, o vice-presidente sul-africano Kgalema Motlanthe afirmou que o Tribunal Penal Internacional (CPI) deve analisar as operações da Otan, incluindo os bombardeios que provocaram muitas vítimas.

Depois de destacar que "há vínculos claros e uma coordenação" entre os rebeldes líbios e o comando da Otan, o vice-presidente sul-africano perguntou: "O TPI terá os meios de desenterrar esta informação e fazer com que os responsáveis prestem contas, incluindo os comandantes da Otan no campo de operações?".