Eleitores na Argentina se preparam para eleições primárias 

Na véspera das eleições primárias para a escolha dos candidatos à Presidência da Argentina e aos cargos de deputado das províncias e de Buenos Aires e de senador, cerca de 28 milhões de eleitores deverão ir às urnas amanhã (14). Eles terão de escolher entre duas ou mais listas do mesmo partido. Para concorrer às eleições, em 23 de outubro, o candidato deve obter pelo menos 1,5% dos votos no distrito para seguir na disputa.

A corrida presidencial na Argentina envolve dez candidatos, inclusive a atual presidenta Cristina Kirchner. Também estão na disputa Ricardo Alfonsín, da Unión Cívica Radical, o ex-presidente Eduardo Duhalde, do Partido Justicialista, e Hermes Binner, do Partido Socialista.

As eleições contam ainda com os candidatos Alberto Rodríguez Saá, do Partido Justicialista; Elisa Carrió, da Coalición Cívica ARI (CC-ARI); Jorge Altamira, do Partido Obrero; Alcira Argumedo, do Proyecto Sur; José Bonacci, do Partido del Campo Popular, e Sergio Pastore, do Movimiento de Acción Vecinal.

Pela legislação argentina, será considerado vitorioso na disputa eleitoral aquele que conquistar  45% dos votos válidos ou 40%, desde que ocorra uma diferença mínima de 10% em relação ao segundo colocado na corrida presidencial. Do contrário, ocorrerá uma disputa em segundo turno, em 10 de dezembro. Como no Brasil, o presidente da República na Argentina cumpre mandato de quatro anos.

De acordo com pesquisas recentes, os candidatos que estão entre os primeiros colocados nas intenções de voto são Cristina Kirchner, Alfonsín e Duhalde. A expectativa é que 65% a 70% do eleitorado participe amanhã das votações.